dimanche 22 janvier 2017

Quase chegando

Há quase um ano, as impressões do meu país me impulsionaram a escrever um pouco, pra aliviar a angústia que dá quando estamos pondo os pés no avião pra voltar... agora, quase voltando praí, percebi quer estava na hora de registrar o que havia escrito...



Cada vez que respiro esse ar perfumado e úmido, ainda saindo do avião, tenho vontade de me deitar no chão e lamber essa minha terra. Esse perfume conhecido me enche de alegria, cada poro respira de outro jeito, cada célula se enche de vida.
Tudo tem outra dimensão, dimensão proporcional à majestade do Brasil. Até os corredores do aeroporto; até a quantidade de banheiros, a higiene impecável. Sempre me surpreendo com a minha satisfação ao usar um banheiro cheirando à Pinho Sol no aeroporto.

Quando estou no Brasil o tempo é outro. Leva-se muito tempo para irmos de um lugar ao outro. Para passar de um lado da estrada para outro. Exercicio de paciência e planejamento, oportunidade de convivência, conversa e troca dentro do carro, quando estamos acompanhados.
As chuvas chegam num piscar de olhos, feito as Cataratas do Iguaçu caindo do céu. A estrada vira um córrego, e a natureza agradece impregnando o ar com um cheiro de terra molhada. As árvores da cidade, parece que sempre estiveram lá : os troncos se entrelaçaram, se alargando e invadindo o concreto; suas raízes levantando as calçadas, seus galhos e folhas ganhando os fios da rede elétrica. A natureza mostrando sua força.

Mas esse meu Brasil também transborda em generosidade : de cada um que encontrei, que só cruzei, que pouco dei em troca. Essas palavras são uma tentativa de descrever essa gratidão profunda dos momentos vividos na minha terra querida, a de devolver com a mesma doçura esses vinte dias onde o calor me abraçou, seja o úmido dessa minha terra - em Cotia, Sampa, Angra - seja o humano - dos olhares cúmplices, dos abraços silenciosos e dos gestos espaçosos e corajosos.
Um grand merci à essa recarga de energia, de que eu tanto precisava pra retornar ao frio...

Ah, minha terra amada, abre teus braços que logo logo to chegando pra receber teu calor !!!

samedi 5 mai 2012

Lasagne végétarienne au tofu


Uma receita de uma revista de gastronomia da Adriana me interessou bastante. Pela foto ela parecia bem suculenta, e nao é que com minha adaptaçao ela ficou melhor do que eu imaginava.
Voilà entao a minha versao, à pedidos dos mais descrentes e dos vegetarianos interessados :

Ingredientes para 2 pessoas (com direito à "restô d'onté" pro dia seguinte, rs)
- 400 gramas de tofu firme
- Folhas de lasanha pré cozidas, eu usei Barilla (quantidade suficiente para a fôrma escolhida até o recheio acabar)
- 2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
- 4 tomates maduros
- 150 gramas de champignon de Paris
- 1 bela cebola
- 1 dente de alho
- 6 folhas médias de mangericao fresco, picados ou inteiros
- Queijo parmesao para gratinar
- 1 colher de sopa de shoyu
- Pimenta reino e sal

Para o molho bechamel :
- 500 ml de leite
- 1 colher de sopa de manteiga
- 2 colheres rasas de farinha de trigo
- Noz moscada
- Sal e pimenta

Antes de tudo, deixo todos os ingredientes preparados para irem ao fogo. E muito mais facil e organizado na hora do preparo.
Picar a cebola em cubos e o alho bem miudinho. Despelar o tomate. Metodo que aprendi com Seu Ari, passo a faca em cruz dividindo o tomate em quatro partes e depois o deixo pelo menos um minuto de molho em agua fervida. Depois fica facil de tirar a casca. Pica-lo em cubos.
Lavar e cortar o champignon em lamelas e por fim, esmiuçar o tofu com os dedos.
Refogar a cebola e o alho no azeite, acrescentar o tomate picado e deixar desmanchar em fogo brando, com a panela destampada. Quando o tomate estiver desmanchado, acrescentar o champignon, e quando estiver cozido, o tofu e o shoyu. Depois de 3 minutos, jogar as folhas de mangericao, verificar o sal e colocar pimenta do reino moida na hora, se gostar. Desligar o fogo. Reservar tampado enquanto prepara o bechamel.
Pre- aquecer o forno à 180 graus.
Para preparar o bechamel, derreta a manteiga e rapidamente acrescente a farinha de trigo, mexendo sem parar até que fique amarronzada. Va colocando o leite e continue mexendo para nao empelotar. Quando o molho estiver cremoso apague, salgue e coloque uma pitada de noz moscada, se possivel ralada na hora.
Ai é so montar ! Lembrando que a massa da lasanha deve ficar sempre em contato com algo umido, para poder cozinhar. Intercalar a massa, o recheio e o bechamel até um dedo da borda da fôrma. Terminar se possivel com o bechamel e o parmesao pra gratinar.
Levar ao forno por aproximadamente 20 minutos, ou até que a massa esteja cozida (espete um garfo ou palito). Qualquer duvida, me escrevam por e-mail ou facebook.
Servir com uma boa salada verde, e um vinho branco leve. Eu abri um vinho verde Casal Garcia, bem leve, com 10° de alcool.

Bon apetit à tous !!!

dimanche 25 mars 2012

No balanço do trem




No vai e vem
do balanço do trem

o mundo que é de todos
e nao é de ninguém
passa

eu fico,
na imagem fotografada
da impressao saboreada

registro infimo da imensidao nao alcançada. 

samedi 25 février 2012

Transparência efêmera


Se em meados de fevereiro o termometro do meu terraço marca 14 graus, uau. Vem aquela sensaçao que a primavera quer chegar, retomar o seu lugar. Vontade de fazer a conhecida Faxina de Primavera...
Decidi tirar a tela invernal dos gerânios, coitados, eles ja ficaram quase dois meses envelopados nesse TNT, sem agua nem luz, hibernando no quentinho, escapando do negativo que invadiram as madrugadas. Estavam envergados, como se precisassem se espreguiçar.
O Brinco de Princesa que estava na secura dentro de casa foi respirar o ar puro la de fora; assim como a Laranjeira de apartamento que ja revela alguns frutos aparecendo timidamente, e tenho certeza que agora esta bem contente.
Recolhi o que restara do pobre manjericao, enquanto o Iago regava pouco à pouco os vasos todos, mesmo as floreiras vazias... acho que ele tinha a esperança que surgisse algum brotinho novo.
Depois dos cinco minutos com as plantas, ja com as unhas sujas de terra, bateu aquela vontade de limpar os vidros, coisa rara que a gente tem que aproveitar quando vem... o céu estava de um azul tranquilo, e as nuvens ja roseando com o pôr do sol, pediam pra serem bem vistos, admirados.
Esponja, detergente, de pé sobre a pia, me sentia um limpador de parabrisas dos farois paulistanos, procurando a transparência maxima no exercicio da funçao.
Eu tenho a teoria de que depois de uma certa quantidade de sujeira, nao pode ficar pior. E é verdade, tanto faz dois ou seis meses sem poder ver nitidamente o horizonte parisiense, a sujeira se instala num piscar de olhos, a transparência absoluta é efêmera.
A transparência é algo sutil, dificil de alcançar, exige esforço, paciência, perseverança e abandono - pois a gente sabe que nao vai durar, a poeira esta so esperando você terminar pra ela se repousar novamente, comodamente.
Na satisfaçao perene do olhar solto pela transparência absoluta da minha janela da cozinha, constatei que o esforço valera a pena, que é preciso exercê-lo mais, mesmo que instantes depois, tudo volte a ser como antes.

samedi 31 décembre 2011

Neve em mim





Diante da neve

Pura

Nenhuma amargura



Diante da neve

Gelada

Natureza repousa intocada



Diante da neve

Brilhante

Deslumbrante diamante



Me calo

Me retiro

Nem respiro



Hiberno em sua profundeza de fragil beleza



Poderosa e hipnotizante

Sob a força do sol radiante



Volto entao, com um outro valor

Pequena,

Serena,

Preenchida de calor.

Justeza.





Arbustos. Justos.

Robustos

Nuances de cores que se casam

Se entrelaçam

Como num romance



Onde os tamanhos se encaixam

Os troncos se enlaçam

As cores se fundem,

Se unem.



Volto ao chao

Me desapego dessa visao

Milagre de harmonia à minha revelia

Segundo de Alegria

Transiçao




                                             pt.dreamstime.com

Nem tudo é sono no outono



Nesta época, as folhas,

longilineas



Acolhem

Protegem do vento do Norte



Verdes, violetas,

Fortes, espoletas.



Depois de certo tempo todas tombarao

E darao lugar ao rigor do inverno

Para que a primavera se anuncie



Em suas pequeninas flores

convidando à novos amores.